O BI ao longo da história

Postado por DBC Company Em: Capacitação, Desenvolvimento, Tecnologia Sem comentarios

Podemos traduzir Business Intelligence (BI) como Inteligência de Negócios ou Inteligência Empresarial, ou seja, estamos lidando com a área de inteligência das organizações e consequentemente com a tomada de decisões baseadas em informações coletadas e apresentadas a partir de sistemas computacionais. Para entendermos melhor a evolução desse processo vamos apresentar como esse processo evoluiu ao longo dos anos, juntamente com o conceito de BI.

O termo Business Intelligence (BI) apareceu pela primeira vez na literatura em 1865 utilizado por Richard Millar Devens para descrever a história de um banqueiro que se utilizou de informações de mercado para lucrar diante de seus concorrentes. Com o passar dos anos e com a evolução da tecnologia a necessidade de relatórios estruturados e periódicos para apoio a tomada de decisões foi ficando cada vez maior. Surgindo então na década de 1970 os chamados Sistemas de Apoio à Decisão (DSS – Decision Support System), definidos por Gorry e Scott Morton como “sistemas computadorizados interativos, que ajudam os tomadores de decisões a utilizar dados e modelos para solucionar problemas não estruturados”.

Mesmo capturando dados empresariais, a estrutura utilizada na época possuía múltiplos sistemas de informação independentes que não se conversavam, então na década de 1980 surgiram os sistemas de Planejamento de Recursos Empresariais (ERP – Enterprise Resource Planning), integrando a captura de dados transacionais dos diversos departamentos das organizações e substituindo as antigas estruturas de armazenamento não padronizadas por Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Relacional (RDBM – Relation Database Management).

Os sistemas ERP apresentaram uma evolução nos relatórios de dados empresariais, permitindo que fossem utilizados sob demanda, conforme a necessidade, ao contrário dos primórdios da análise de dados quando era necessário que especialistas de cada área construíssem os relatórios através de processos manuais.

Assim como a tecnologia de sistemas, o termo BI também evoluiu e em 1989 o analista Howard Dresner popularizou uma nova definição, apontando o BI como um conjunto de aplicativos, tecnologias e processos para coletar, armazenar, acessar e analisar dados, auxiliando e melhorando a tomada de decisões. Portanto, o termo BI não se refere a uma ferramenta ou técnica específica, mas sim a este conjunto de técnicas e conceitos.

Junto com a evolução do termo BI surgiu também, na década de 1990, a exigência de relatórios mais versáteis, culminando nos chamados Sistemas de Informação Executivos (EIs – Executive Information Systems) apresentando sistemas visualmente atraentes, com painéis gráficos e planilhas de resultados, trazendo indicadores básicos de desempenho para monitoramento pelos tomadores de decisões. Mas nem tudo são flores e para não afetar a eficiência dos sistemas transacionais e garantir a integridade dos dados acabou surgindo um novo conceito, o DW (Data Warehouse), que simploriamente podemos tratar como uma camada intermediária utilizada como repositório de dados e constantemente tratada como “fonte única de verdade”.

Nos anos 2000 os sistemas de apoio à decisão baseados em DW começaram a ser chamados de sistemas de BI surgindo assim novas exigências, como a maior frequência da atualização dos dados, implicando na capacidade cada vez maior de armazenamento e poder de processamento, tornando o acesso por parte das pequenas e médias empresas cada vez mais difícil. Felizmente surgiram arquiteturas voltadas para serviço, implementando um modelo sob demanda, onde as empresas passaram a pagar apenas pelo que precisavam usar, podendo escalar o uso dos recursos de acordo com as necessidades.

Já na década de 2010 houve uma quebra de paradigma no modo como os dados são capturados e utilizados. Principalmente devido ao crescimento da internet e da utilização das redes sociais, nos apresentando assim os chamados dados não estruturados, ricos em conteúdo informativo, mas de difícil análise, criando desafios consideráveis para sistemas computadorizados, trazendo assim um novo termo, Big Data, utilizado para destacar os desafios que essas novas fontes de dados apresentam.

Vamos falar mais sobre Big Data nos próximos artigos aqui no blog. Não perca!

Por Uiliam Venerio, Analista BI na DBC Company

uiliam.venerio@dbccompany.com.br

5 Likes